Forte, teimosa e voluntariosa

Perseguida por sua independência inaceitável para as mulheres da época, Carlota Joaquina era capaz de gestos corajosos e generosos.

Nas notícias que enviavam à Espanha, os servidores da casa de Bragança traçaram um perfil que jamais descolaria de Carlota Joaquina: a princesa era irrequieta e inflexível. “Não havia de retroceder a um desejo”, escreveu sua nobre ajudante Maria Moscoso em 1794, “e se eu não fizesse o que queria, poderia com escândalo valer-se de outra pessoa”.

A geniosa menina sem dúvida fazia por merecer tais qualificativos. Mas o retrato era incompleto. A começar por sua sólida formação. Filha primogênita do herdeiro do trono espanhol, Carlos IV, e da infanta Maria Luiza de Parma, Carlota Joaquina Teresa Caetana de Bourbon e Bourbonnasceu no dia 25 de abril de 1775. Durante alguns anos, houve certa expectativa de que se tornasse herdeira do trono, pois a mãe tivera vários abortos. Sendo assim, a infanta recebeu educação esmerada, a cargo do padre Felipe Scio de San Miguel, um intelectual ilustrado. Em 1785, cumprindo um acordo matrimonial assinado por seu avô Carlos III e pela rainha D. Maria I de Portugal, partiu para Lisboa. Aos 10 anos, tornava-se esposa do príncipe e futuro rei D. João.

Na gravura de Manuel Marques de Aguilar, Carlota já como rainha consorte. Apesar da busca incessante pelo poder, ela jamais alcançou o trono como soberana.Na gravura de Manuel Marques de Aguilar, Carlota já como rainha consorte. Apesar da busca incessante pelo poder, ela jamais alcançou o trono como soberana.

 

Comprovando sua educação cortesã e dotes intelectuais, A Gazeta de Lisboa relata o sucesso dos exames que Carlota prestou na presença de diplomatas portugueses: “Tudo satisfez tão completamente, que não se pode expressar a admiração que deve causar uma instrução tão vasta em uma idade tão tenra”.

Mesmo sob educação rígida pautada na etiqueta cortesã, comum às meninas da nobreza, há vários depoimentos de pessoas que conviviam cotidianamente com ela e que afirmam de maneira unânime seu temperamento irredutível quando não queria cumprir ordens. Em carta a Maria Luiza (mãe de Carlota), a camareira da princesa, D. Ana, se queixa com frequência dos mui malos modos de D. Carlota, levando muitas vezes o padre Felipe ao desespero, “por estar durante as lições duas ou três horas sem querer falar uma palavra”.

Ainda assim, a rainha D. Maria e os membros da família real portuguesa dedicavam muito afeto à infanta, rindo de suas travessuras e se encantando com suas exibições de dança. Numa Corte de velhos, a jovem princesa espanhola era a alegria do Palácio, sendo muito mimada e tendo suas vontades atendidas.

Ao alcançar a fase adulta, D. Carlota continua a surpreender a Corte pelo temperamento autoritário e extremamente extrovertido. A sociedade lusitana, muito conservadora, fica perplexa com suas atitudes, uma vez que está pouco acostumada a comportamentos espontâneos e expansivos vindos de uma mulher. A desenvoltura com que transita no espaço público, sua atuação no campo político e seu destempero no cotidiano familiar assustam particularmente os homens portugueses e estrangeiros, sempre muito tradicionais em relação ao comportamento feminino. Também causa estranheza sua conduta extravagante no dia a dia da Corte, oscilando entre ataques de raiva e atitudes racionais e generosas. Não são atitudes comuns à nobreza, principalmente a uma princesa consorte, cujo marido é um homem discreto e retraído.

As mulheres eram privadas do convívio social, mantidas presas ao cotidiano doméstico – seja na casa do pai, do marido ou no convento, quando freiras – sempre recolhidas a espaços reservados. As atitudes transgressoras de Carlota Joaquina inspiraram a construção de um perfil anedótico e preconceituoso, como o descrito por Madame Junot em seu livro de memórias. Mulher do general francês Junot, a duquesa de Abrantes acompanhou o marido durante o período em que esteve em Lisboa, e fez descrições detalhadas dos membros da família de Bragança. Preconceituosa, lança mão de narrativas burlescas e ressalta o atraso e a pobreza dos lusitanos. Carlota Joaquina é ridicularizada por seu modo extravagante de agir e de se vestir, e por suas características físicas muito feias. Ao descrever a família de Bragança, a marquesa a comparava a “um concurso monstro de fealdades em que cabiam os primeiros prêmios ao príncipe regente e a Dona Carlota”.

Outros contemporâneos relatam demonstrações de solidariedade e generosidade. Dois episódios narrados por Luiz Joaquim dos Santos Marrocos, bibliotecário da Biblioteca Real, ajudam a contradizer a má fama da princesa. Conta ele que a mulher de um servidor da Biblioteca Real foi acusada de adultério e, por causa disso, abandonada pelo marido. Ao saber da situação da mulher, Carlota Joaquina leva-a para o Palácio, dá-lhe roupas e chama seu médico particular para tratá-laE vai além:“sabendo ao depois que ela tinha duas filhas pequenas e em desamparo, mandou logo buscá-las, vestiu-as nobre e magnificamente com primoroso enxoval, e pô-las a educar e aprender em um colégio de meninas, pagando mensalmente por sua educação”. Em outra ocasião, Carlota se deparou com um senhor açoitando uma escrava que lhe havia roubado 250 gramas de açúcar. Ao saber do motivo, solicita ao senhor que pare de açoitar a negra, e segue em seu passeio. Após ter caminhado alguns metros, ordena a um de seus guardas que volte e verifique se o tal senhor havia atendido ao pedido. O guarda surpreende o homem novamente espancando a escrava. D. Carlota volta ao local, repreende o homem e concede liberdade à mulher.

Mas a biografia de Carlota Joaquina ficou especialmente marcada pelo difícil relacionamento com o Gabinete do Regente. Particularmente, com D. Rodrigo de Sousa Coutinho (1755-1812), o conde de Linhares.O famoso rancor que passou a sentir pelo Brasil tem relação com a forma como era tratada no Palácio durante a administração do conde, que a impedia até de falar com seu marido, o Regente. A situação se agrava quando Carlota Joaquina – única herdeira do rei da Espanha em liberdade, pois os outros membros da família de Bourbon eram prisioneiros de Napoleão – lidera a defesa do império espanhol. D. Rodrigo não aceita a ascensão política da princesa e desencadeia uma guerra contra ela. Afasta todas as pessoas que a apoiam e corta sua mesada, a ponto de deixá-la completamente sem dinheiro.

Numa ocasião, foi procurada pelo governador e chefe do exército espanhol em Montevidéu, general Gaspar de Vigodet, que pedia auxílio para enfrentar a revolução de Buenos Aires, um movimento de independência naquele que era o último reduto da resistência espanhola no Prata. Sem recursos, Carlota convoca todos os ourives do Rio de Janeiro e coloca suas melhores joias à venda, mas os comerciantes se negam a comprá-las, certamente por pressão do Palácio. Ela só consegue levantar o dinheiro quando entrega as joias para serem vendidas pelo marquês de Casa Irujo, embaixador espanhol na Corte.

Mãe dedicada e até, algumas vezes, atenciosa com o marido, em cartas e bilhetes mostrava preocupação com o bem-estar e a saúde do Regente

Entretanto, em diversas situações, Carlota age por conta própria, sem considerar a opinião do rei. Quando volta a Portugal, por exemplo, torna-se um baluarte da defesa do absolutismo monárquico. É capaz de recusar-se a jurar a Constituição liberal portuguesa, mesmo sob ameaça de ser presa e deportada. Desobedece ao rei, desobedece ao marido.

O imaginário social sobre ela era uma lista de desonras: infiel, vulgar, ambiciosa, perversa, inculta, transgressora de todas as normas morais e éticas inerentes às mulheres da nobreza. Além disso, os ventos não lhe sopraram a favor politicamente. A grande maioria dos intelectuais da época era liberal, como quase todos os historiadores. São tempos de revoluções e de crescentes ataques aos representantes do Antigo Regime, aos absolutistas e seus defensores. Raras são as referências a Carlota como mãe de Pedro I e avó de Pedro II. Mais coerente com o mau retrato é lembrá-la como mãe de D. Miguel, absolutista como ela.

Incompatível com os papéis femininos de seu tempo e representante de uma tradição política em vias de extinção, Carlota Joaquina tornou-se duplamente sujeita a estereótipos. A personagem é mais complexa e interessante do que a lenda.

Francisca Lucia Nogueira de Azevedoé professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro e autora de Carlota Joaquina na Corte do Brasil (Civilização Brasileira, 2003).

Fonte: http://www.revistadehistoria.com.br

 

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s